SOPERJ - Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro

Esqueci meu login ou senha

Imprimir

Síndrome de Prader-Willi (SPW)

 

 

Janeiro de 2014

(CID associado: Q 87.1)


A Síndrome de Prader-Willi (SPW) é uma condição geneticamente determinada. Sua prevalência é de 1:12.000 a 1:15.000, acometendo ambos os sexos e sem predileção por cor ou raça. As características principais da SPW são a hipotonia neonatal, a hiperfagia de difícil controle e déficit global do desenvolvimento em graus variáveis. O acompanhamento médico visa principalmente o controle de peso, visando impedir a obesidade e suas complicações.

 

Na infância, a SPW é caracterizada por hipotonia significativa (bebê muito “molinho”), dificuldade de alimentação e criptorquidia (testículos fora da bolsa escrotal) em meninos. A hipotonia melhora com o tempo; a dificuldade alimentar do lactente geralmente se resolve no primeiro ano de vida, e, entre 1 e 6 anos, a criança com SPW desenvolve apetite exagerado, levando a obesidade em muitos casos.
A maioria das crianças com SPW apresenta atraso no desenvolvimento motor e da linguagem, podendo evoluir para déficit de aprendizado. Distúrbios do comportamento incluindo desordens obsessivo-compulsivas, depressão e má adaptação às mudanças na rotina devem ser monitorados, podendo ocorrer, geralmente, a partir da adolescência ou na vida adulta.
Outras anormalidades associadas à SPW são a baixa estatura, escoliose, osteoporose e dismorfias, que incluem diâmetro bifrontal estreitado, olhos amendoados, nariz afilado, cantos da boca inclinados para baixo, mãos e pés pequenos.
A SPW é geneticamente determinada e causada pela não-expressão de genes paternos em uma pequena região do braço longo do cromossomo 15 (15q11.2-q12). Três tipos de alterações podem levar a esta situação:

 

  • Microdeleção: perda de uma parte do cromossomo 15, observada em aproximadamente 70% dos casos;
  • Dissomia uniparental: duas cópias do cromossomo 15 seriam de origem materna. Esta situação acontece em aproximadamente 25% dos casos;
  • Mutações no centro controlador da impressão genômica: em raros casos (menos de 5%), o paciente apresenta a estrutura do cromossomo 15 e a origem dos cromossomos normais, mas há falha no mecanismo de metilação do DNA - que é o responsável pela impressão genômica visto que determina alteração da expressão dos genes - funcionando como uma deleção.

 

Diagnóstico laboratorial da SPW

 

Tem como objetivo confirmar o diagnóstico da SPW e estabelecer qual tipo de alteração ocorreu, para que seja feito o aconselhamento genético da família. A sequência ideal de exames é:

 

  • Análise de metilação da região 5’SNRPN do cromossomo 15: se anormal confirma o diagnóstico da SPW, sem estabelecer a causa molecular;
  • Pesquisa de microdeleção na região 15q11-q12 através de hibridização in situ com fluorescência (FISH);
  • Se o FISH excluir a deleção deve ser pesquisada a presença de dissomia uniparental materna, através de análise de polimorfismos do DNA;
  • Se não houver dissomia uniparental, pesquisar mutações no centro controlador da impressão genômica

 

Diagnóstico clínico da SPW


Achados que devem levar à investigação laboratorial da SPW, por faixa etária:

 


Idade do paciente

Clínica

Até 2 anos

Hipotonia grave com sucção deficiente e dificuldade para ganhar peso

2-6 anos

Hipotonia congênita com história de sucção deficiente e atraso global do desenvolvimento

6-12 anos

História de hipotonia congênita com sucção deficiente, podendo ainda ser hipotônico, atraso global do desenvolvimento e hiperfagia / obsessão com a comida, com obesidade centrípeta se distúrbio alimentar não for controlado

> 13 anos

Retardo mental, geralmente leve, hiperfagia / obsessão com a comida, com obesidade centrípeta se distúrbio alimentar não for controlado e hipogonadismo hipotalâmico e/ou distúrbios típicos de comportamento

 

Critérios diagnósticos para a SPW

 

Critérios maiores (1 ponto)

Critérios menores (1/2 ponto)

Hipotonia quando recém-nascido/lactente com sucção débil

Movimentos fetais diminuídos e letargia quando lactente

Problemas alimentares e “failure to thrive” quando lactente

Problemas típicos de comportamento

Ganho de peso entre 1-6 anos, obesidade, hiperfagia

Apneia do sono

Dismorfias faciais características

Estatura abaixo do alvo familiar aos 15 anos

Hipoplasia genital, atraso puberal

Hipopigmentação para o padrão familiar

Atraso no desenvolvimento / retardo mental

Mãos e pés pequenos para a altura

 

Mãos estreitas, borda ulnar reta

 

Esotropia, miopia

 

Saliva espessa, viscosa

 

Caminhos da ORL Caminhos da ORL
SOPERJ - R. Assembléia, 10 Sl. 1812, Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20011-901 - (21) 2531.3313

Genesis Network